11 de fev de 2014

Infâncias

Na última semana pedagógica a qual fui convidada a participar, tive uma fala sobre as questões da infância no contexto escolar e para isso utilizei de alguns textos e vídeos sobre as infâncias que temos no mundo e na atualidade. 

Para iniciar questiono:


O que é infância e qual o período a que se caracteriza essa fase?


Segue especificações dos períodos infantis
* Primeira infância vai desde seu nascimento até seus 3 anos de idade;
* Segunda infância inicia no intervalo de 3 aos 6 anos de idade;
* Terceira infância entre 6 e 12 anos de idade, dando princípio a puberdade.

Quantas infâncias você tem nas mãos?
Existe uma criança universal?

Documentário: Os bebês
       Um dos documentários mais expressivos em se tratando do cotidiano dos bebês.
       Thomas Balmes acompanhou Ponijao, da Namíbia (África); Bayarjargal, da Mongólia; Mari, do Japão; e Hattie, dos EUA no decorrer de 4 anos.
Provavelmente, ele fez um trabalho prévio de acompanhamento das mães, que se mostram muito à vontade frente à sua câmera, mesmo no momento crucial e íntimo do parto. Em alguns momentos, a impressão é de que a câmera estava escondida ou estática e sem nenhum profissional por perto, a fim de captar os chamados “espaços vazios”, momentos em que aparentemente nada acontece, mas que possuem a síntese e a beleza da vida.
A presença dos pais e de outros coadjuvantes é sempre notada, mas os ângulos das câmeras privilegiam a ação dos pequeninos em sua aventura de descoberta do mundo. Essa abordagem nos aproxima da experiência dos bebês e da vivência dos cuidados dos pais.
Como o filme é dirigido por um ocidental, percebe-se que o documentário tem um viés voltado para o registro da alteridade. Dessa forma, a pequena Hattie tem pouco destaque, enquanto Ponijao e Bayar parecem brilhar mais. Isso parece ter a ver com o fato de serem os mais “estranhos” para a câmera de Balmès, com costumes e ambientes mais exóticos para os olhos de um europeu.
Cada um deles busca com curiosidade conhecer o mundo ao seu redor, os objetos e os animais. Cada um, em seu tempo, aprende a balbuciar e imitar a fala dos adultos. Todos eles experimentam os primeiros passos e as primeiras quedas.

Link para acesso ao filme> Clique aqui: Documentário Babies

Diretor:Thomas Balmes – Paris
País: França
Duração: 79min
Ano: 2010


Ao final desse documentário, nos perguntamos:

  • Existe uma criança universal?
  • Quais são as relações/ vínculos afetivos (mãe/bebê/irmãos/animais)?
  • O que você percebeu sobre o cuidar do bebê???
  • E agora, quantas infâncias você tem nas mãos?


Para complementar esses dados, apresento alguns pontos abordados no texto: Abrindo a pedagogia a outros olhares - maria isabel eddel weiss bujes

Pedagogia Moderna

¢Discursos de descrever as crianças e as práticas pedagógicas
¢Relações de poder
¢Passagem do séc XV ao séc XVIII – projeto civilizador moderno – escolarização
¢Surge a escola moderna – definição de um estatuto da infância, a criação de espaços para a educação das crianças, o surgimento de um corpo de especialistas em educação e de teorias específicas, a destruição de outros modos de educação e a imposição da obrigatoriedade escolar.

Séc xix – endeusam a infância

¢Nascem as disciplinas – medicina, fisiologia, antropologia, biologia, psicologia
¢Estudar os pequenos e os primitivos – ajuda a explicar as origens e as particularidades da mente humana
¢Etapas do desenvolvimento e a evolução histórica da sociedade – Charles Darvin / Jean Piaget

¢Escola obrigatória – função de controle social

Uma Nova escola?
Controle, pra que? Porque?


  A pedagogia nova tem um controle mais sutil: organização do meio, estruturando dispositivos mais modernos de disciplina social, sem o emprego da força. Psicologia do desenvolvimento.

Nós compreendemos os sentidos próprios que as crianças atribuem a si e às suas relações com a vida e o mundo?


As crianças e seu (des)lugar nas culturas contemporâneas - Regina de assis

Esse texto nos traz a ideia de como como compreender os sentidos próprios que as crianças atribuem a si e às suas relações com a vida e o mundo?

As crianças tem voz? Tem vez?

Fragmento de fala de uma criança:  “PROFESSORA, MINHA CABEÇA FALA E CANTA COMIGO”

Damos atenção necessária às descrições, impressões, curiosidades, medos, ansiedades e conquistas infantis??? Essas questõe só tem lugar quando há um outro – adulto, adolescente ou criança – disposto à escuta, interessada, às relações afetivas e ao diálogo que constitui significados provenientes das trocas entre sentidos muito particulares.
    

O desaparecimento da infância e a sua falta de lugar nas culturas contemporâneas é um dos principais temas estudados pelo historiador francês Philippe Ariès. 

Em 1978 Ariès publicou o livro História Social da Criança e da Família em que abordou várias discussões ao tentar analisar o sentimento de infância, buscando definir a descoberta da infância. 



    
    As crianças, nos primórdios,  eram entendidas como adultos em miniatura ou então como bibelôs, nos contextos sociais, culturais  e econômicos dos períodos históricos estudados, poderíamos dizer que – guardadas as proporções destas análises, na atualidade nossas crianças continuam, como antes, sendo um simulacro dos adultos e, muitas vezes, objetos de exibição.

     


Em seguido apresento o documentário: 

 A invenção da infância – Rio grande do sul 2000

Aborda o seguinte tema: 
SER CRIANÇA NÃO SIGNIFICA TER INFÂNCIA


Link do filme:  Clique na imagem acima para assistir


Neste filme podemos observar algumas questões:
Conformação com a situação.
Brincadeiras como são?
As crianças trabalham?? Com o que? Fazendo o que?
Qual a importância dos Cursos e responsabilidades na vida das crianças?
A influência da televisão – novelas

Ser criança na contemporaneidade é um fato que começa a rarear e tomar novos contornos.

Filme: Crianças Invisíveis 

“Crianças invisíveis” é um filme composto por sete curta-metragens, filmados nos países da África (Mehdi Charef), Servia Montenegro (Emir Kusturica), Estados Unidos (Spike Lee), Brasil (Kátia Lund), Inglaterra (Ridley Scott), Itália (Stefano Veranuso) e China (Jonh Woo).
De modo geral o filme descortina um mundo de negligência de cuidados, maus-tratos, violência psicológica e familiar, tráfico e uso de drogas, exploração de trabalho infantil e conflitos étnicos, políticos e econômicos, onde as crianças e adolescentes estão imersos. Diante desse cenário nos perguntamos: O que fazemos enquanto família, educadores(as), escola, políticos(as) e cidadãos(ãs) para mudar essa trágica realidade que aponta para futuros incertos?

Clique na imagem para assistir

Questões que envolvem esse universo: 
Transformação no núcleo familiar e infância 
Conquista da autonomia cidadã pelas mulheres
Famílias monoparentais (pais separados) e homossexuais
O papel do provedor da família
A ausência da figura paterna
A vida em família atualmente faz com que a criança se torne cada vez mais cedo autônomas, responsáveis e solidárias  - surge  a influência da mídia audiovisual e a digital.

O poder da mídia influencia a constituição das identidades infantis, dos seus conhecimentos e valores?

Discutiremos mais sobre esse e outros assuntos num próximo post.

SER CRIANÇA NÃO SIGNIFICA TER INFÂNCIA

Um comentário:

O que achou?