8 de dez de 2008

Acidente Vascular Cerebral ou Derrame (AVC)

Informações para a Família e aos cuidadores


- O que é o derrame?
O derrame acontece quando o sangue que alimenta uma parte do cérebro é cortado. Isso acontece por entupimento em uma das veias ou por um sangramento dentro da cabeça. Como conseqüência, todas as funções controladas por esta parte afetada do cérebro ficam descontroladas.
As pessoas mais velhas têm mais facilidade de ter um derrame; e esse pode ser leve (pode dar fraqueza, dificuldades que passam logo, desaparecendo após algumas horas com a melhora completa da pessoa) ou forte (pode acontecer perda da consciência (desmaio), completa paralisia de um lado do corpo, problema de fala, confusão mental ou até a morte).
As pessoas que têm pressão alta, diabetes, obesidade, taxa de colesterol alta têm maior possibilidade de ter um derrame.


- Sinais que mostram que uma pessoa pode estar tendo um derrame:
· Fraqueza ou paralisia de um lado do corpo;
· Dificuldade de equilíbrio – para ficar em pé, andar ou sentar sozinho;
· Dificuldade para enxegar – perda da visão de um olho ou dificuldade para ver claramente com os dois olhos;
· Dificuldade para se comunicar – falar “enrolado” e ter dificuldade para entender o que os outros estão falando;
· Confusão mental – perda de memória e dificuldades para fazer coisas que conhece;
· Dor de cabeça forte, de repente e sem motivo, seguida de vomito, sono ou estado de coma.

- O que fazer no momento em que acontece o derrame?
· É importante que a pessoa possa respirar;
· Deve ser deitado de lado, com o travesseiro baixo e o pescoço esticado;
· Se usar dentadura, esta deve ser retirada;
· A pessoa deve ser levada ao Pronto Socorro imediatamente;
· Não dê remédio sem orientação médica.

- Cuidados e providências:
O cuidador deve saber que ajudar o doente não é fazer as coisas por ele. é importante que as pessoas que tiveram derrame sejam capazes de usar mais o lado “bom”, enquanto o lado “doente”está melhorando.
Nos primeiros meses, o mais comum que pode acontecer com o doente é o seguinte:
· COMUNICAÇÃO: dificuldades para conversar e para entender o que lhe falam;
· ALIMENTAÇAO E LIMPEZA DA BOCA: dificuldade para engolir, mastigar, levar o alimento à boca e para escovar os dentes;
· ANDAR E FAZER MOVIMENTOS: necessidade de ajuda para se vestir, ir ao banheiro, tomar banho, comer e outras.
· ESCARAS (feridas na pele): por ficar muito tempo sentado ou deitado na mesma posição. Portanto, é preciso lavar a pele com muito cuidado, não esfregar a pele ao limpar e se a pele estiver ressecada pode originar feridas.




- Como ajudar o doente:

–COMUNICAÇÃO:
Às vezes, a confusão e o nervosismo que a pessoa sente nos primeiros dias pode impedi-la de falar ou entender. Então é preciso não forçar o dente a grandes respostas. Perguntar apenas o que ele possa responder com a cabeça. Nesse momento são muito importantes a solidariedade e a paciência. Se puder peça para que ele escreva; se ele não puder escrever, faça perguntas que ele possa responder com sinais, fazendo sim ou não com a cabeça.


O que pode ser feito:
- falar normal com o doente, mas bem devagar;
- ao falar, não deixe que nada o distraia;
- chamar sempre o doente pelo seu nome;
- mostre interesse e paciência com ele;
- não fale demais: conversar com frases curtas;
- tentar se comunicar por gestos, expressões do rosto, desenhos, objetos etc;
- evite que a pessoa doente fique isolada.


–ALIMETAÇÃO E LIMPEZA DA BOCA:
Ao preparar a comida para o doente:
- oferecer alimentos que facilitem a digestão;
- usar pouco sal;
- cozinhar com pouca gordura;
- oferecer líquidos várias vezes ao dia para evitar a ocorrência de desidratação;
- escolher alimentos que ajudem o intestino a funcionar

Comer e beber pode ficar difícil após o derrame:
Às vezes os músculos de um dos lados do rosto e a língua estão prejudicados. Até para engolir o paciente sente dificuldade e pode engasgar-se.

Como cuidar dessa pessoa?
- oferecer líquidos com uma colher, aos poucos, deixando a pessoa sentada e com o corpo reto;
- logo que a pessoa melhore, dar pequenas bocadas de comida amassada, colocando o alimento do lado melhor da boca;
- se a boca ficar torta, o uso da dentadura ou de ponte fica difícil. Nesse caso, procure um dentista para fazer uma nova dentadura. Procure não deixar o doente sem a dentadura, pois terá dificuldade para comer e falar.

Limpeza da boca:
- tomar cuidado com restos de comida que podem ficar entre a gengiva e a bochecha;
- limpar com escova de dente ou cotonete;
- enxaguar a boca com água salgada, para evitar mau cheiro, gosto amargo e infecções;
- passar manteiga de cacau ou óleo nos lábios para evitar rachaduras.




Limpar os dentes e a boca:
- Com palito com ponta arredondada;
- Cotonete ou palito tendo na ponta um algodão amarrado;
- Escova de dente com a haste envolvida em esponja, para segurar com mais facililidade;
- Procurar um dentista a cada 6 meses.


–ANDAR E FAZER MOVIMENTOS:
Ajudar o doente a se levantar e a mudar de lugar deve ser feito com cuidado.

Como levantar e mover o doente:
- informar sempre ao doente o que irá fazer, pois só assim ele pode colaborar;
- segurar o doente bem próximo ao corpo do cuidador;
- apoiar o peso do corpo nos músculos das pernas e não nos músculos das costas;
- ter certeza de que o doente esta firme para não cair;
- doente e cuidador devem usar sapatos confortáveis e sem saltos. Dê preferências a solas de borracha.
- Se o doente for muito pesado, pedir ajuda de mais alguém, para não correr o risco de caírem ou se machucarem;
- Ao tirar o doente da cama, fazer em primeiro lugar que ele se sente na beirada. Apóia-lo em seguida, segurando o lado dele que esta bem e fazer um “calço”com o pé para dar mais firmeza e poderem girar o corpo juntos.











10 de nov de 2008

E viva o verão......

Mal posso esperar!!!!
Verão também é sinônimo de pouca roupa e muito chifre, pouca cintura e muita gordura, pouco trabalho e muita micose.
Verão é picolé de Kisuco no palito reciclado, é milho cozido na água da torneira, é coco verde aberto pra comer a gosminha branca.
Verão é prisão de ventre de uma semana e pé inchado que não entra no tênis.
Mas o principal ponto do verão é…. a praia!
Ah, como é bela a praia.
Os cachorros fazem cocô e as crianças pegam pra fazer coleção.
Os casais jogam frescobol e acertam a bolinha na cabeça das véias.
Os jovens de jet ski atropelam os surfistas, que por sua vez, miram a prancha pra abrir a cabeça dos banhistas.
O melhor programa pra quem vai à praia é chegar bem cedo, antes do sorveteiro, quando o sol ainda está fraco e as famílias estão chegando.
Muito bonito ver aquelas pessoas carregando vinte cadeiras, três geladeiras de isopor, cinco guarda-sóis, raquete, frango, farofa, toalha, bola, balde, chapéu e prancha, acreditando que estão de férias.
Em menos de cinqüenta minutos, todos já estão instalados, besuntados e prontos pra enterrar a avó na areia.
E as crianças? Ah, que gracinhas!Os bebês chorando de desidratação, as crianças pequenas se socando por uma conchinha do mar, os adolescentes ouvindo seus MP5s enquanto dormem.
As mulheres também têm muita diversão na praia, como buscar o filho afogado e caminhar vinte quilômetros pra encontrar o outro pé do chinelo.
Já os homens ficam com as tarefas mais chatas, como perfurar o poço pra fincar o cabo do guarda-sol.É mais fácil achar petróleo do que conseguir fazer o guarda-sol ficar em pé.
Mas tudo isso não conta, diante da alegria, da felicidade, da maravilha que é entrar no mar!Aquela água tão cristalina, que dá pra ver os cardumes de latinha de cerveja no fundo.Aquela sensação de boiar na salmoura como um pepino em conserva.
Depois de um belo banho de mar, com o rego cheio de sal e a periquita cheia de areia, vem aquela vontade de fritar na chapa.
A gente abre a esteira velha, com o cheiro de velório de bode, bota o chapéu, os óculos escuros e puxa um ronco bacaninha.
Isso é paz, isso é amor, isso é o absurdo do calor!!!!!
Mas, claro, tudo tem seu lado bom.
E à noite o sol vai embora.
Todo mundo volta pra casa tostado e vermelho como mortadela, toma banho e deixa o sabonete cheio de areia pro próximo.
O Shampoo acaba e a gente acaba lavando a cabeça com qualquer coisa, desde creme de barbear até desinfetante de privada.
As toalhas, com aquele cheirinho de mofo que só a casa da praia oferece.
Aí, uma bela macarronada pra entupir o bucho e uma dormidinha na rede pra adquirir um bom torcicolo e ralar as costas queimadas.
O dia termina com uma boa rodada de tranca e uma briga em família.Todo mundo vai dormir bêbado e emburrado, babando na fronha e torcendo, pra que na manhã seguinte, faça aquele sol e todo mundo possa se encontrar no mesmo inferno tropical…
Qualquer semelhança com a vida real, é uma mera coincidência.

(Luis Fernando Veríssimo)



23 de set de 2008

DEPRESSÃO PÓS-FACULDADE (DPF)


Você passa quatro anos indo para o mesmo lugar todos os dias, vendo as mesmas pessoas, falando sobre o mesmo assunto, agüentando os mesmos professores chatos, idolatrando os mesmos professores ótimos, reclamando dos mesmos problemas, comendo o mesmo salgado murcho, bebendo no mesmo boteco fedido.

Você passa quatro anos querendo sair mais cedo da aula todos os dias, contando as moedas pra tirar mais uma das milhares de xerox, se revoltando com a quantidade de páginas da xerox, se perdendo nos corredores da biblioteca pra achar o bendito livro, se desesperando nas provas, quebrando a cabeça pra fazer uma pauta, deixando de dormir até mais tarde no fim de semana pra fazer o tal do trabalho, indo dormir mais tarde pra fazer o tal do trabalho. Isso tudo, sem contar o último ano, em que todos esses fatores são multiplicados por quantas vezes você achar melhor.

E lá vem o TCC, que tira seu tempo, seu sono, sua paciência, seus fins de semana, seus feriados, suas refeições bem feitas, seu namorado, suas noites bem-dormidas, sua diversão.

Mas, em compensação você ganha, entre os itens que mais se destacam, um belo par de olheiras e aversão à gráficas (incluindo as pessoas que lá trabalham) e impressoras (um grande parabéns aos que não quebraram ou não deram pelo menos um soco em alguma).

Não podemos deixar de citar as brigas com o seu grupo e as incontáveis vezes em que você escreveu, reescreveu, editou, gravou, fotografou, deletou tudo e começou de novo..

Chega o grande dia e junto com ele, um imenso alívio.

É isso. Acabou. Tchau. Bye bye. Até mais. Te vejo por aí.

Você trabalha e depois das 18h vai pra casa.

No dia seguinte também.

E no outro, e no outro.

Alguns arrumam outras atividades pra ocupar o tempo.

Outros simplesmente vão pra casa, sentam-se no sofá e assistem tv, dormem, comem, babam na almofada sem se importar em ver o tempo passar...

Mas, têm também aqueles que sentem um enorme vazio.

Cadê os meus amigos pra conversar? E os textos que eu tinha pra ler? Para onde foram professores que eu parava para trocar idéia no corredor? Cadê tudo o que eu fazia todos os dias? Cadê as pessoas que eu convivia?

Acabou.

É, meu amigo, está com esses sintomas? Então você está com a tal da DPF - Depressão pós-faculdade.

Tudo aquilo que você xingou por anos, agora faz uma falta enorme aí na sua vida. Ficou um buraco. E, se você não aproveitou, esse buraco fica ainda maior.

Portanto, se durante os quatro anos você não quis comer aquele salgado gorduroso, tomar a cerveja no boteco da esquina, comprar a trufa que sua colega vendia, fazer a pauta, escrever a matéria, gravar o programa, pegar a sonora, fotografar o fulano, diagramar o texto, estudar pra prova, pedir pro professor tirar sua falta, conversar durante a aula e tomar bronca, dar uma de nerd e responder o que o professor pergunta e muito, muuuuito mais... perdeu.

Se você está entrando na faculdade agora, aproveite cada minuto.

Xingue, mas não deixe nada passar.

Agora, se assim como eu, você fez tudo isso e com muito orgulho, curta a saudade, reencontre os amigos e professores e lembre-se que essa foi uma das melhores épocas da sua vida.

E que, da faculdade, você tire pelo menos esta lição: os momentos e as pessoas são únicos !!! E as oportunidades também.

.

17 de set de 2008



É decepcionante olhar os últimos tempos que passei sem você por aqui. Gostei de tantos bobos da corte, mas sempre estive com a cabeça no rei.
Entraram e saíram personagens da minha história, mas só você permaneceu.



Quem nunca saiu com o cara errado que atire a primeira pedra.



Mas atire nele, por favor.

10 de set de 2008

Me sinto só

Faço tanta coisa
Pensando no momento de te ver
A minha casa sem você é triste
A espera arde sem me aquecer...